terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Anestesiia

Angustiado, coração disparado,
já não sei quanto tempo mais eu aguento.
Agitado, no compasso da dança,
não deixando de lado o momento,
E sofrendo, e cantando, e pulando,
Sentido o que já não sentia,
passando o efeito dessa anestesia,
que me alucinava e me excluia do mundo,
que me fazia sentir inseguro, esquecido, lembrado apenas por você
que hoje já me esqueceu.
Tranquilidade, já to te esquecendo também.
Já não lembro daquele teu cheiro natural e bom,
já não sei de cor o desenho de tua mão
e se Deus quiser, daqui a pouco esquecerei do som da tua voz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário